Entenda: A alta do preço de materiais da construção civil

Vários setores foram fortemente impactados pelo período de pandemia, alguns sofrendo mais e outros nem tanto e a construção civil foi um deles, ganhando força e crescendo de forma inesperada neste período e ainda apresentando probabilidade de melhora. Por outro lado, o maior problema do setor é a alta dos preços dos materiais.


Empresas do ramo da construção identificaram o aumento significativo de materiais da construção civil, e em alguns casos os valores superaram os 100% dos preços praticados antes do período pandêmico, criando desequilíbrio em contratos já firmados e um aumento de preços justificado de forma não clara, mas somente atribuído à pandemia.


Neste caso, em contratos em obras licitadas, especialmente, se faz necessária o equilíbrio dos preços acordados, para que nem o contratante, nem o contratado sejam lesados.


Um estudo de mercado realizado pela Câmara Brasileira de Indústria da Construção Civil (CBIC) apontou que este aumento é resultado da falta de oferta de produtos em quantidade suficiente para atender o mercado. A pandemia inicialmente criou uma insegurança, que por sua vez projetou um falso desabastecimento, que foi utilizado pelos fornecedores para recuperar preços. Isso significa que se a produção não acelerar urgentemente para criar produtos suficientes para oferecer ao consumidor, a memória inflacionária não retornará ao seu ponto inicial e os preços permanecerão altos.


 Abuso no ajuste de preços


Foram identificados registros de comunicações por diferentes fabricantes informando aumento idêntico nos mesmos produtos, simultaneamente, nas mesmas regiões. Outras situações que representam este abuso foram o posicionamento de entidade do setor cimentício declarando estar aproveitando o contexto para recuperar preços devido à ociosidade produtiva e também, por parte de uma indústria siderúrgica demonstrando interferência no mercado.


Esta onda de aumentos começou apenas com alguns materiais como cimento e aço, mas outros produtos acompanharam as altas de preços sem razões aparentes.


O que esperar do mercado?


Com os preços sendo mantidos, é preciso apenas que o consumidor espere a memória inflacionária retomar ao ponto inicial, além da busca pelo reequilíbrio dos contratos, mas apesar disso, deveremos ainda aguardar ainda mais o crescimento do custo dos imóveis populares, aumento dos custos de obras públicas, desemprego na construção civil e atraso na entrega de obras em virtude da falta de materiais.


O cenário ainda é incerto. O que teremos por enquanto é insegurança jurídica para a contratação de obras, e insegurança das empresas construtoras e incorporadoras para novos lançamentos. Além disso, a disputa e discussão acerca dos aumentos deve ser mantida por um longo período.


A possibilidade dos preços retomarem o patamar pré-pandemia é baixa, principalmente por se tratar de uma cadeia bastante fragmentada que possui dificuldade de comunicação entre os diversos subsetores de fabricantes.


 

Compartilhe:

Nenhum comentário:

Postar um comentário