Empresas do Piauí querem novo Pronampe para enfrentar uma possível 2ª onda


 

Com a restrição de atividades econômicas imposta mais uma vez pelo poder público devido ao aumento de casos de Covid-19 no Piauí, as empresas necessitam novamente da liberação de crédito facilitado para enfrentar a crise econômica.

 

Segundo uma pesquisa divulgada pelo Sebrae, 48% dos empresários de micro e pequenos negócios do Piauí querem linhas de crédito com condições especiais, como o Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe), lançado em 2020 pelo Governo Federal, justamente para combater os efeitos da primeira onda da pandemia.

 

O Pronampe permitiu ao empresário pegar até 30% do faturamento em empréstimo, com pagamento em 36 vezes e juros de até 1,25% mais taxa Selic. O programa tinha prazo de carência de oito meses. Ao todo, as três fases do programa em 2020 emprestaram R$ 37,5 bilhões a 517 mil empresários em todo o Brasil.

 

A 10ª edição da pesquisa “O impacto na pandemia nos pequenos negócios” ouviu mais de 6 mil empresários no país, sendo 55 no Piauí, entre os dias 25 de fevereiro e 1º de março de 2021. A amostra, feita em parceria com a FGV, representa 17 milhões de MEIs, micro e pequenas empresas no Brasil e 175 mil no Piauí.

 

Entre outras medidas sugeridas pelos entrevistados para auxiliar as empresas, estão extensão do auxílio emergencial (24%), o auxílio para redução e suspensão de contratos de trabalho (4%), adiamento dos impostos (10%) e moratória de dívidas (15%).

Compartilhe:

Nenhum comentário:

Postar um comentário